9 de ago de 2012

Howl


James Franco, como Ginsberg, falando sobre seus pensamentos
Filme sobre Allen Ginsberg disseca o poema Howl misturando documentário, animação e filmes de julgamento

Allen Ginsberg é um dos poetas do movimento beat norte-americano. Se você assistiu recentemente o filme "Na Estrada", de Walter Salles, sabe quem são eles. Ginsberg aparece no filme de Salles, com o nome de Carlo Marx e interpretado por Tom Sturridge. A literatura beat, famosa pelas obras de Ginsberg, Jack Kerouac (autor de "On the Road", obra que inspirou o filme de Salles) e William S. Burroughs (autor de "Naked Lunch", também adaptado para o cinema por David Cronemberg e no filme de Salles interpretado por Viggo Mortensen), privilegiou uma forma de tentar retratar a realidade como ela é, sem pudores e procurando mostrar a liberdade, a loucura e o espírito errante de algumas pessoas. Leia mais sobre o autor em artigo da revista Cult.


Nesse filme de Rob Epstein e Jeffrey Friedman, os cineastas retrataram o poema e seu autor através de diversos recursos audiovisuais. Inicialmente, o filme possui um tom documental, trazendo trechos de entrevistas de Ginsberg interpretados por James Franco ("127 Horas"). Através desses trechos, conhecemos bastante sobre o pensamento do autor.

"... in the moment of composition I don’t necessarily know what it means, but it comes to mean something later, after a year or two, I realize that it meant something clear, unconsciously. Which takes on meaning in time, like a photograph developing slowly. Because we’re not really always conscious of the entire depth of our minds, in other words we just know a lot more than we’re able to be aware of, normally—though at moments we’re completely aware, I guess." Allen Ginsberg em Entrevista a Thomas Clark

Em outros momentos, trechos dos poemas são transformados em animação, desenhos que ilustram a obra do autor mas também a complementam, traduzindo através de imagens o poema Howl. Essas animações são um dos pontos fortes do filme, conseguem complementar e enriquecer os versos de Ginsberg, lidos por James Franco. Vejam uma das animações abaixo.




Em um terceiro nível, e talvez o mais interessante do filme, o poema Howl é levado a julgamento. Em 1957, o poema foi publicado e apreendido pela polícia, por ser considerado obsceno. O editor responsável pela publicação foi levado a julgamento. No julgamento, o poema é dissecado, para que seja decidido se ele possui relevância literária ou não, e se o autor poderia ter usado outros termos menos obscenos. Nesse ponto, o filme parte para uma instigante discussão, travada entre advogados e testemunhas, sobre como julgar a relevância de um poema e sobre a liberdade artística. Essa abordagem de um poema sendo julgado, ora defendido ora acusado, até o final onde se decidirá se ele é inocente ou culpado, é um dos pontos mais originais (e surreais) do filme.

Jon Hamm, da série de TV "Mad Men", faz o advogado de defesa
do poema Howl

Ginsberg e seu parceiro Peter
Dessa forma, trabalhando em diversos níveis que, juntos, trazem luz sobre a obra e a vida de Ginsberg, o filme trabalha de forma intensa e profunda esse autor, homossexual, judeu, drogado, que viveu o estilo outsider e viajante de seus amigos da geração beat (entre eles Neal Cassady - ou Dean Moriarty em "On the Road" - por quem se apaixonou), mas também alcançou um estilo de vida estável e o prestígio artístico, todos aspectos bem levantados por essa produção.


Cotação do Janela Indiscreta: * * * *


FICHA TÉCNICA
Diretor: Rob Epstein, Jeffrey Friedman
Elenco: James Franco, Mary-Louise Parker, Jon Hamm, Jeff Daniels, Alessandro Nivola, David Strathairn
Produção: Gus Van Sant, Miles Levy, Jawal Nga
Roteiro: Rob Epstein, Jeffrey Friedman
Ano: 2010
País: EUA
Gênero: Drama
Cor: Colorido
Distribuidora: Não definida





7 comentários:

  1. Fiquei curioso, parece bem interessante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto assistia, achei que vc ia gostar. As animações são ótimas e o desejo de fugir dos padrões de Ginsberg são comuns a você.

      Excluir
  2. Que crítica ótima, Fábio! Vou assistir hoje se puder esse, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cleidson. Esse filme tava na minha gaveta há algum tempo, essa semana 'desengavetei' e considerei uma ótima surpresa.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir